Micro hábitos

Como ter indícios de que um produto é mais sustentável

publicado em
14.10.2021

Geralmente, quando pensamos em sustentabilidade, somos levados a refletir sobre questões ambientais. Sim, esse é um dos fortes pilares da sustentabilidade, mas não o único. Ao conhecer mais sobre todos os aspectos que envolvem esse conceito, conseguimos entender melhor que o que leva um produto a ser considerado sustentável não é só ele ser um bom amigo da natureza.

Isso porque a sustentabilidade engloba três pilares: social, ambiental e econômico. Ou seja, aquele produto que chega à sua casa ou que você adquire numa loja faz parte de um ecossistema onde houve a extração e processamento de recursos naturais. Além disso, é imprescindível que a empresa fabricante e toda cadeia respeitem questões trabalhistas, normas fiscais, e o bem-estar das pessoas, além de estar atenta a quesitos como qualidade e durabilidade. Um verdadeiro tripé!

Da matéria-prima, passando pela fabricação, e pensando no fim do ciclo de vida, tudo deve ser pensado para que os impactos ambientais sejam minimizados. Um produto mais sustentável, portanto, está direcionado a reduzir o impacto da produção, buscando garantir maior durabilidade e também respeitar a sociedade. 

Vamos entender melhor?

Social: É sobre todas as pessoas da cadeia, direta ou indiretamente envolvidas, e que fazem o produto nascer. Isso inclui mais do que os funcionários, mas também o público-alvo, os fornecedores, a comunidade no entorno e a sociedade em geral.

Ambiental: Preservação do meio ambiente e dos recursos naturais, aplicação de melhores práticas para redução de desperdícios, soluções circulares em que o ciclo de vida e de fim do produto esteja no centro da estratégia de design, além de maneiras e ferramentas eficazes para se buscar essas ações.

Econômico: Talvez o que gere mais dúvidas, mas contempla a prosperidade econômica respeitando as condições de competitividade e as boas práticas socioambientais, isto é, sem prejudicar o meio ambiente e a sociedade.

Sendo assim, para considerar um produto ou uma empresa de fato sustentável, é essencial que esses três pilares coexistam e interajam entre si de forma plenamente harmoniosa.

Foto: Reprodução/ @nuar.plataforma

Se na hora de fazer as compras de casa você optar por consumir produtos orgânicos em feiras de bairro, diretamente do produtor, você provavelmente estará fazendo uma compra mais sustentável. Isso porque esse consumo, provavelmente, será oriundo de um plantio que não agrediu a natureza com agrotóxicos.

Certificações e selos

Outra forma de saber se o produto é, de fato, mais sustentável é é observar se ele traz algum tipo de certificado. Eles são indícios de maior peso, pois normalmente algum órgão terceiro é contratado para verificar a veracidade do que se atesta. Listamos aqui alguns exemplos de certificados que são utilizados por empresas ou produtos no Brasil. 

Certificado Sistema B, atesta empresas como um novo tipo de negócio que equilibra propósito e lucro, considerando o impacto das decisões nos trabalhadores, clientes, fornecedores, comunidade e meio ambiente. As empresas credenciadas estão comprometidas não apenas em reduzir impactos negativos, mas em gerar impactos positivos no que diz respeito à igualdade social e cuidados com o meio ambiente, entre outros.

Outros selos auxiliam nessa identificação -são os chamados “Selos Verdes”, como o Procel (eletroeletrônicos), o FSC e CERFLOR (madeiras e papéis), o SustentaX (produtos e serviços), IBD, EcoCert (orgânicos), o SMETA, ABVTEX, Vegan e Cruelty free.

Agora que você já está mais consciente da jornada da sustentabilidade na hora de fazer suas compras, vamos para um check-list que pode ajudar na escolha final e te levar a consumir de forma cada vez mais conectada com um mundo melhor e mais justo.

- Cheque os selos! Eles são uma forma de mostrar ao mercado que os produtos passaram por análise rigorosa. E atenção: selos emitidos pelos próprios fabricantes do produto não são isentos. Observe se são utilizados apenas termos genéricos como “100% natural”, “100% ecológico”, “verde”, “eco friendly” etc.

- Na ausência de selos, observe os atributos essenciais da sustentabilidade (aqueles que você conheceu nesse texto).

- Observe a origem do produto na etiqueta da embalagem e dê preferência para aqueles feitos na região onde você mora.

- Sempre que puder, opte por produtores locais, pequenos negócios, feiras de bairro e produção artesanal. 

- Observe se o produto facilita um descarte responsável, com baixa ou nenhuma produção de lixo.

- Busque espaços de venda que já certifiquem se o produto possui uma jornada sustentável, como feiras de orgânicos ou marketplaces que priorizem produtos sustentáveis.

- Atenção ao ‘greenwashing’, falsos benefícios ambientais oferecidos por empresas de produtos ou serviços, uma espécie de máscara colocada nos rótulos para induzir a compra de forma enganosa.

- Muitas marcas investem em estratégias que mascaram informações ou fornecem dados imprecisos. Procure marcas nas quais você identifique ética na comunicação.

Agora que você já sabe mais sobre o que define um produto mais sustentável, pode ajudar a disseminar ainda mais essa ideia compartilhando esse post com sua rede de contatos e, assim, colaborar com um mundo mais consciente.


OUTRAS PUBLICAÇÕES